Amor e Seu Tempo - Carlos Drummond de Andrade

Amor é privilégio de maduros
Estendidos na mais estreita cama,
Que se torna a mais larga e mais relvosa,
Roçando, em cada poro, o céu do corpo.
É isto, amor: o ganho não previsto,
O prêmio subterrâneo e coruscante,
Leitura de relâmpago cifrado,
Que, decifrado, nada mais existe
Valendo a pena e o preço do terrestre,
Salvo o minuto de ouro no relógio
Minúsculo, vibrando no crepúsculo.
Amor é o que se aprende no limite,
Depois de se arquivar toda a ciência
Herdada, ouvida. amor começa tarde.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zygmunt Bauman e a Pós-Modernidade

Contardo Calligaris: "Não quero ser feliz. Quero é ter uma vida interessante"

O QUE PODE O CORPO? DANI LIMA E VIVIANE MOSÉ