quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Otto Scharmer - On the Making of Trump—The Blind Spot That Created Him

We have entered a watershed moment not only here in America, but also globally. It’s a moment that could help us wake up to a deeper level of collective awareness and renewal—or a moment when we could spiral down into chaos, violence, and fascism-like conditions. Whether it’s one or the other depends on our capacity to become aware of our collective blind spot.
Donald Trump’s election as the 45th president of the United States has sent shock waves across the planet. In a replay of Brexit, a coalition of white, working- (and middle-) class men (and women) from mostly rural areas swept an anti-establishment candidate into office. But the election of Trump is hardly an outlier: just look at the global rise of strongmen such as Vladimir Putin, Recep Erdogan, Viktor Orban, and Rodrigo Duterte and the surge of other right-wing populists.
Why has the richest and most prosperous country in the world now elected a climate denier who used racist, sexist, misogynistic, and xenophobic language throughout his campaign? What makes us put someone like him in the White House? Why did we create a presidential election between two of the most disliked candidates of all time, Donald Trump and Hillary Clinton? Why did Trump, who lied and attacked minorities, journalists, women, and the disabled, only become stronger and stronger throughout his campaign? What is the blind spotthat has kept us from seeing and shifting the deeper forces at play? Why, again and again, do we collectively create results that most people don’t want?
The Blind Spot
Trump and Clinton, from the viewpoint of the millennial generation, represent everything that’s wrong with America. Trump embodies everything that is wrong with our culture. Clinton embodies everything that’s wrong with our politics. And both of them embody everything that’s wrong with our economy.
Our collective blind spot reflects paradigms of thought that legitimize all three major divides: the economic divide, the political divide, and the cultural-spiritual divide. I’ve talked about these divides before, but now they seem more stark than ever.
The Economic Divide
There is a logical line from the Trump and Brexit votes back to the economic crisis of 2008, and from there to the deregulation of the Clinton and the Reagan years in the 1990s and 1980s. U.S. workers’ share of national income has been shrinking since the late 1990s, with the gains going to the top 1 percent. The average annual income growth in the United States for the bottom 90 percent has been negative for the past two decades.
Millennials have good sensors for this kind of disconnect. In the 2016 campaign, Bernie Sanders won significantly more votes among those under age 30 than Clinton and Trump combined. In a recent Harvard University survey that polled young adults between ages 18 and 29, 51 percent of respondents said they do not support capitalism. Just 42 percent said they do support it. Equally interesting is that only 33 percent said they support socialism.
What these responses suggest is that most young people may be looking for a different way to run our economy. They don’t want the failed system of Soviet socialism. Or the failed system of casino capitalism. Many young people wish to refocus the economy on justice, fairness, equality, and the deeper sources of meaning in life – what I call generating well-being for all.
This skepticism of young people towards the current economic system is not that surprising if you consider the bigger economic picture today: The United States is the most unequal of all high-income OECD countries, has the highest poverty rate of any advanced economy (17%), the highest obesity rate (36%), the highest incarceration rate, and student debt of $1.2 trillion.
Social mobility—the capacity to work your way up and realize your dreams—is weaker in America today than it is in Europe. As they say: if you want to realize the American dream, go to Denmark. These structural economic factors and forces of exclusion are the real drivers that elevated Trump to the presidency. Yet, instead of addressing these structural issues, the Clinton campaign chose to focus the conversation almost entirely on Trump’s personal flaws.
Why do so many people take these structural issues for granted? It’s the neoliberal economic ideology that Ronald Reagan and his team brought into the White House, that remained during the Clinton years, that continued to flourish during the Bush years, and that, in spite of 2008, continued to shape White House politics even after Barack Obama took office. The neoliberal economic paradigm continues to shape the Washington economic consensus. Our inability to replace that failed paradigm of “ego-system” economics with a more holistic and inclusive framework of “eco-system” economics has created an intellectual and moral void that allowed Donald Trump to connect with the “forgotten common man.” Which brings us to divide number two.
The Political Divide
The political system is rigged. Donald Trump is also right on this one, but for different reasons than he thinks. Hillary Clinton is the face of the current system. Yes, she has more experience and was better prepared for the job than any other candidate. But as Donald Trump reminded her, she had the “wrong experience” (translation: she embodies the status quo). As many polls over the past year indicated, Bernie Sanders would have won easily against Trump, even though his solutions were a work-in-progress at best. Elizabeth Warren probably would have won by a landslide if the party leadership could have persuaded her to run. But what did the Democratic Party leadership do instead? Manipulate the primary process so that Bernie lost and Hillary won. If the Democratic Party were democratic in its processes, the name of our new president-elect would be Bernie Sanders.
Yet the real political divide of our time is not between Democrats and Republicans. It’s between the insiders of the Washington system that is driven by lobbying and special interest-driven decision-making on the one hand and the forgotten communities without a voice on the other. Elected officials in Washington, regardless of their party affiliation, spend roughly 50% of their time fundraising and have almost no time left to talk to the less powerful real stakeholders that are affected by policymaking. That is the structural problem we face: too many groups are excluded and have no voice in the process of governance and decision-making. So, the second force that put Donald Trump in the White House is the enormous disconnect between voiceless communities and the Washington system of special interest group driven decision-making.
The Spiritual Divide
The biggest divide, however, is neither economic nor political. It’s a cultural-spiritual divide that is ripping our communities, our country, our culture, and our world apart.
The economic and political divides result from massive institutional failures. As the rate of institutional and systemic failure increases, we see citizens and leaders respond in one of the following three ways:
1. Muddling through: same old, same old.
2. Moving back: let’s build a wall between us and them.
3. Moving forward: lean in to what wants to emerge—empathize and build architectures of collaboration rather than architectures of separation.
What was the problem in this election? Hillary was the muddler; Donald was the wall builder. But there was no one in the third category.
It was interesting to watch the entire American media establishment try to take down Donald Trump (after creating him)—only to realize that all their attacks only made him stronger. The only effective voice against him was Michelle Obama’s. She was the one who could take the air out of him. And she did, even to the degree that the Trump camp decided to stop attacking her. What made the First Lady, who has high approval ratings among Democrats as well as Republicans, so much more effective in dealing with the Trump phenomenon?
When you watch her speeches in New Hampshire and Phoenix you see the answer: she responded to him not with hate and fear. Instead, she spoke with empathy, authentic reflection, and compassion. She courageously exposed her own vulnerability showing up as a human being. Michelle Obama also does not primarily focus on the “opponent,” but rather on her own experience, her own opening process, and on the positive future that she feels is wanting to emerge. That’s what it takes to be a warrior of the third category, a warrior of the open heart: as you engage the current moment, your eye is on the future that is seeking to emerge—not on the past that you try to fight against.
Someone who fits that third category would blend the compassion and presence of a Michelle Obama with the systems change focus of an Elizabeth Warren. Such a person (or combined 2020 ticket) would need to connect with a powerful global movement of changemakers who collaborate around new forms of economic, political, and cultural renewal.
Systemic disruption
Figure 1 shows how the three responses to systemic disruption give rise to three conflicting cultures:
1. Downloading: same old, same old.
2. The cycle of absencing: denying, de-sensing, blaming, and destroying (closing the mind, heart, will).
3. The cycle of presencing: seeing, sensing, crystallizing, and co-creating (opening the mind, heart, will).
Figure 1: The Social Fields of Presencing and Absencing
So what is it that is ripping our communities apart? It’s that the social field of absencing, that is, the closing of the mind, heart, and will, keeps ampliying prejudicehate, and fear because it’s supercharged by business (its a billion dollar media industry) and technology (with Facebook and Google keeping us well inside our echo chambers or filter bubbles). Moreover, nearly one-fifth of election-related tweets came from bots, from robots, according to a new study by University of Southern California researchers. Our social media is designed to systemically spread and amplify negativity, its not designed around an intention to build community and generative cross-boundary dialogue.
What We Are Called to Do Now
Will President Trump act like candidate Trump? Or will he evolve and grow with the demands of the job (like others did before him)? We don’t know. Most likely his biggest contribution will be that he helps us recognize the other (downside) part of our culture that needs loving attention, compassion and transformation. As the German poet Goethe put it so eloquently when making Mephistopheles—representing the role of the “evil”—say: “I am part of that force which eternally wills evil and eternally works good.”
What is the “good” that President Trump could work for us? Here is a short list:
Letting go of any illusion that the necessary changes of our time will originate from the White House or any other top-down structure. It will come instead from a new global movement of local and multi-local change makers that apply the mindset of Michelle Obama (open mind, heart, will) onto the transformation of the collective.
As we begin responding to the disruption of this week, we have an opportunity to organize in new ways that go beyond the usual responses to disruption:
1. Personal rage: taking it out on something outside ourselves,
2. Personal change: using that energy to transform oneself, or
3. Movements that react against the symptoms of the social and ecological divides.
Figure 2: Four types of response to disruptive change
What is called for today is a massive response that reaches into the upper right quadrant (figure 2): focusing on evolving and transforming the collective. What’s missing most is an enabling infrastructure that supports initiatives to move into the top right quadrant of co-creating change.
The good news is, that the future is already here – many initiatives already exist in which cross-sector groups work from seeing the whole (eco-system awareness) rather than from a silo-view (ego-system awareness).
Summing up, the blind spot at issue here concerns the dominant paradigms of thought that have legitimized the economic, political, and spiritual divides which—in conjunction with the mindless use of social media and technology—gave rise to the Trump movement and presidency. To overcome or bridge these divides calls for nothing less than regenerating the foundations of our civilization by updating the key operating codes on which our societies operate:
  • Economy 4.0: evolving our economy from ego-system economics to eco-system economics by refocusing the economic activity (and the use intentional use of money) toward generating well-being for all
  • Democracy 4.0: evolving our democracies toward engaging people in ways that are more direct, distributed, democratic, and dialogic and that ban the toxic and corrupting influence through (unrestricted) money
  • Education 4.0: evolving our educational systems toward freely accessible infrastructures that help individuals, communities and multi-stakeholder groups to activate the deep human capacity to co-sense, co-shape and co-create the emerging future in their own context any place and any time.
To advance such an agenda of profound societal renewal will require
· New collaborative platforms, online-to-offline, that allow pioneering change makers from across sectors to directly engage with each other
· A constitution for the global digital space that makes the Facebooks and Googles accountable to citizens, communities and civil rights worldwide.
· Massive free capacity building mechanisms that build the deeper innovation capacities at scale (curiosity, compassion, courage)
· And new concepts like basic income grants for all that would replace our current system of organized irresponsibility through an ecology of entrepreneurship that is driven by passion and purpose rather than profit – in other words, enabling people to activate their greatest gifts, and pursue the work they are truly passionate about.
MITx u.lab is a small prototype and platform that we started last year with the intention to help change makers who want to move their work into the fourth quadrant. What started as a MOOC is now a platform for 75,000 change makers from 180 countries that collaborate across 600 hubs. In 2017 we intend to move this platform to its next stage of catalyzing change at the scale of the whole system.
It’s one of several initiatives that helps us remember what matters most: that as warriors of the third category, we need to fully engage the present moment whilst keeping our eye on the future that is seeking to emerge. Our old civilizational forms are much more fragile than anyone might have thought. But our capacity to regenerate them from the deepest source of our humanity is also more present and available than ever—now.
Thanks to Adam Yukelson for helpful comments and to Kelvy Bird for the figures..

Fonte: http://www.huffingtonpost.com/entry/on-the-making-of-trumpthe-blind-spot-that-created_us_58264d03e4b02b1f5257a1ca

sexta-feira, 20 de maio de 2016

As 3 armadilhas ao seu empreendimento

No vídeo #04 ( Como lidar com as pessoas com quem você vai viver o que quer ), você aprende estrategias e maneiras para lidar com grupos aos quais você pertence ou não. Como também, vai entrar em contato com as 3 armadilhas ao seu empreendimento. 




Essas armadilhas sabotam os planos, a preparação e a execução das ações para a realização dos objetivos, tanto nos períodos das vacas gordas, por não estar se preparando para avançar ainda mais ou se prevenir para uma mudança de rumo da situação, quanto no período das vacas magras, por não conseguir ver as oportunidades fora da caixinha do modelo mental. Por isso, a avaliação dos alicerces do seu modelo mental é fundamental para criar novos rumos ou alinhas esforços para a realização dos objetivos pessoais e empresariais.

Perceba que o Mindset (modelo mental) é uma parte essencial para o seu negócio. Como também a estratégia de Marketing utilizada. Logo, esses 3 fatores (Mindset, Negócio e Marketing) em combinação farão a diferença que fazem toda a diferença. 

Veja o vídeo 4 na Integra


Atenciosamente
Hilário Seara

segunda-feira, 25 de abril de 2016

A série de vídeos do kit básico para você alcançar o que quer



#01 Como evitar os 5 atrasos que sabotam você de viver o que quer
#02 Os 3 alicerces que sustentam o seu modelo mental
#03 Como lidar com as Emoções Negativas para alcançar o que você quer
#04 Como lidar com as Pessoas com quem você vai viver o que quer





Mais informações no www.hilarioseara.com

terça-feira, 8 de março de 2016

A Musa e a Dança / Gilligan em ação na formação em Coaching Generativo

.
Há algum tempo atrás, ela me disse: "Eu sou sua, não me devolva para o meu self". Eu achei aquilo muito estranho no meu mundo cartesiano, eu não entendia os movimentos, não entendia toda a que aquela cena, não entendia toda aquela generatividade. Mas um dia, aconteceu o milagre, por alguns segundos eu acordei e aquelas palavras fizeram todo o sentido:


"o universo se move.
A vida é um baile.
Nós não somos os dançarinos,
Nós somos a dança"

Níveis Neurológicos por Dilts no Generativo relatado pela Musa


Ela olhou para mim, riu e disse: "Não basta #focarna #perfomance e nos #resultados sem ter a noção da relação das partes e do todo. Quando você tem uma #intenção de criar algo no mundo, algumas perguntas surgem: Qual é a visão de mundo que você está compartilhando com a comunidade ao ter essa intenção ? Qual a missão sua com essa intenção? Quando, quanto e onde, você ambiciona criar? Qual é o seu papel nessa criação? "



Ela continuou com o olhar compassivo e voz calma:
"Quando estamos alinhados nos diversos níveis, as#competências se desenvolvem e os #resultados fluem mais naturalmente e há um maior número de benefíciarios! O verdadeiro #sucesso é ser #felizjuntos. Essas divergências em polaridades não agregam. Essas partes precisam ser ouvidas. Não são inimigas naturais. Qual é a intenção de cada uma? A visão? A missão? ..."

Então, ela concluiu: 
"Nós não precisarmos apenas de soluções! Precisamos aprender a ver o outro e a reconhecer o outro em nós mesmos. Assim, poderemos viver o#amor entre nós e possivelmente haverá mais "compaixão" e "gratidão" no planeta.".

domingo, 20 de dezembro de 2015

ZIZEK por DUKEN

Christian Dunker responde sobre Metas e Desejos

Como você avalia a tradição de criar metas para o ano seguinte? 
Como parar de fumar ou emagrecer, metas são formas de objetivar os desejos, expressar o que queremos em termos tangíveis. Cada um deveria ter condições de imaginar que seus próprios desejos não se resumem apenas a metas e objetivos, eles são apenas pontos na direção disso. Quando identificamos desejos com metas, empobrecemos, como se reduzíssemos nosso sonhar ao tamanho delas. Descobrir desejos envolve um exercício maior da nossa atividade de memória e imaginação. O desejo é muito mais que querer fazer uma viagem ou alcançar um título. Mas como, em geral, não queremos um balanço que dê muito trabalho, não nos propiciamos a uma grande investigação sobre o que queremos.

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Observatório da Imprensa entrevista o sociólogo Zygmunt Bauman

Entrevista Imperdível com Zygmunt Bauman! 52 minutos de reflexões sobre o Amor Líquido, sobre o Medo Líquido, sobre responsabilidades no gerenciamento, sobre o par conhecimento / Sabedoria e muito mais....

A falácia da liberação sexual e as novas formas de dominação

LinK: http://www.catarticos.com.br/doce/liberacao-sexual-vs-novas-formas-de-dominacao/



terça-feira, 20 de outubro de 2015

Genealogia da moral uma polemica friedrich nietzsche

Link: 
https://territoriosdefilosofia.wordpress.com/2015/10/20/genealogia-da-moral-uma-polemica-friedrich-nietzsche/.

sábado, 26 de setembro de 2015



Eu vejo as pessoas se definirem como sistêmico e continuam a repetir o velho pensamento cartesiano... nessa matéria do Estadão a minha amada Cornelia Benesch Bonenkamp, explica o que é o pensamento sistêmico (nas Constelações, nas empresas e na Vida).



Vire explorador

CORNELIA BENESCH BONENKAMP
23 Setembro 2015
O que você vê?

Algumas pessoas talvez digam: dois homens; ou Obama; ou Obama dando uma medalha; ou Obama e Daniel Kahneman; ou Obama dando a medalho do prêmio Nobel de economia a Daniel Kahneman, que escreveu também o livro: Rápido e Devagar – duas formas de pensar.
A foto é a mesma para todos nós, porém cada um de nós conecta com informações diferentes.
O que faz as pessoas verem coisas diferentes? Depende da nossa cultura, dos nossos contextos, grupos sociais, de nossos padrões emocionais, do nosso conhecimento e….
Tudo isto determina a nossa observação e a maneira de lidar com ela. Somos todos limitados pela nossa observação e no dia dia não temos essa consciência.
Como?
Somos todos criados no pensamento cartesiano, mecanicista onde num piloto automático, a base de padrões inconscientes, julgamos: bom ou mau, certo ou errado.  Nessa forma de avaliação não pesquisamos ou exploramos os custos benefícios de uma decisão.
Imagine que uma informação é como um bolo. No pensamento cartesiano, mecanicista, gostamos e comemos ou não gostamos e jogamos fora. Focados no resultado, não exploramos o que faz o bolo ser do jeito que é. No pensamento sistêmico/complexo pesquisamos, exploramos, sem julgar, os ingredientes do bolo. Conhecendo os ingredientes, sabemos quais precisamos usar na próxima vez e o que mais deveríamos acrescentar para obter o resultado que queremos.
Dificuldade com o chefe. Ele é uma pessoa ruim. Não quero mais trabalhar na empresa. Nos despedimos internamente da empresa, do trabalho. Dessa forma estamos no piloto automático, julgando.
OU podemos pesquisar. O que faz a dificuldade acontecer? Qual é a minha parte do incomodo? Qual a parte do ambiente do trabalho? Da cultura ou das regras conscientes ou inconscientes da empresa? Tenho clareza na minha função? Quais os ingredientes da dificuldade? Conhecendo-os e aprendendo com a dificuldade, ela nunca mais aparecerá do mesmo jeito. Deveríamos colocar as dificuldades num prato de ouro, pois são oportunidades para aprender e crescer.
O pensamento cartesiano/mecanicista tem vantagens:
Excelente para máquinas, muito rápido e simples, não requer energia.
Porém, queremos solucionar problemas no trabalho, com a empresa e na sociedade da mesma forma como solucionamos a dificuldade de falta de luz trocando uma lâmpada.
Acreditamos que sabemos o que resolve.
Uma ilusão criada de que podemos, que sabemos tudo. O indivíduo é o foco e está no foco de tudo; pode tudo ou é o culpado.
O uso dessa forma de ver o mundo/a vida tem consequências graves.
Inconscientemente, dividimos o mundo entre o certo e o errado e a nossa visão do mundo vira realidade, vira o nosso filtro de observação no qual percebemos e encaixamos pessoas, fatos e informações. E o que não se encaixa, excluímos.
Para ter sucesso precisamos pensar e agir fora da caixa, sair de círculos viciosos, explorar o desconhecido.
Precisamos pensar e agir percebendo o outro e as regras dos sistemas que pertencemos, que nos movimentam.
Devemos ver pessoas, informações, empresas, dificuldades na sua complexidade, saber das novas descobertas da neurociência e como funciona o ser humano em grupo. Quais os impactos dos sistemas no ser humano? Precisamos explorar o que é de vários ângulos. Na avaliação de certo e errado ou bom e mal, não exploramos.
Percebendo o que é na sua complexidade, mais conscientes, as decisões se tornam mais sólidas, a nossa COMUNICAÇÃO melhora DRASTICAMENTE e consequentemente conectamos e vivemos com mais SUCESSO.
Explore e pergunte!
Nos escreva e compartilhe sua dificuldade.
cornelia.benesch@gmail.com.

FONTE:
http://economia.estadao.com.br/blogs/lentes-de-decisao/vire-explorador/

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Incrível análise comparativa entre o filme Relatos Selvagens e Hamlet! 14 minutos de duração. Leandro Karnal



.

Simplicidade Voluntária / Gastar a vida / Pepe Mujica

.

5 Depressing Side Effects No One Tells You About Moving Abroad

Link original
http://elitedaily.com/life/culture/what-to-know-moving-abroad/1075004/


During the past 10 years, I’ve lived in five different countries.
It’s been an amazing journey that has taught me more about life, love and fear than any education or self-help book ever could.
To build a new existence far away from everything you know and believe in is the most powerful feeling in the world.
People who have moved abroad will nod their heads in agreement.
They will tell you that traveling has broadened their horizons, made them more open-minded and has shown them what truly matters in life.
What they won’t tell you is it’s also the loneliest, most alienating and most guilt-ridden thing they have ever done.
In expat land, fairytales don’t exist. Here are five things that are bound to happen if you decide to leave your home behind:

1. Your loved ones will be devastated.

No matter how you try to sugarcoat it, moving abroad is essentially a selfish choice.
It’s great that you’re living your dream and are choosing the life (you think) you want, but really, you’re not making anyone happy but yourself.
If you’re blessed with amazing family and friends, they will do anything to hide their true feelings from you.
They don’t want to burden you with their doubts, fears and “what on earth are you doing?!” thoughts. They will tell you, “If you’re happy, we’re happy, too!”
My parents did an impressive job. By the time I left for Los Angeles, I was convinced my upcoming adventure was as exciting to them as it was to me.
I was so busy with me, me and me, that I was completely and utterly oblivious to their pain. That day at the airport, I saw a sadness in my parents’ eyes that I had never seen before.
When, after our final goodbyes, I turned around one more time, they looked fragile, lost and 10 years older. My adventure was their misery.

2. You’ll feel guilty all the time.

Two months after I moved to Los Angeles, a good friend of mine received a devastating cancer diagnosis.
I tried to be there for her on the phone and via email, but I knew all she really needed was a big hug and my shoulder to cry on.
When my 80-year-old grandma fell down the stairs and called me from the hospital, sad and lonely, she said, “When are you coming to visit, sweetheart?”
I wasn’t there for the lows, and I wasn’t there for the highs. Over the past few years, I’ve missed most of my friends’ bachelorette parties, birthdays, baby showers and weddings.
These were events I always thought I could do without, until I was introduced to the short, but oh-so-painful silence that followed almost all of my “I’m sorry, but I won’t be able to make it” announcements.
When you move to the other side of the globe, time and financial constraints will inevitably determine the social choices you make.
Attending a friend’s wedding may prevent you from being there for your dad’s 60th birthday or your sister’s graduation. How do you choose? How do you justify the choices you make?
Even though I know it’s my life and I get to decide how I live it, my moving abroad has made me feel like a horrible (grand) daughter and friend many a time.

3. You’ll feel really, really lonely.

I’ve always been fortunate to be surrounded with many wonderful people. When moving to yet another country, I never had a problem meeting people to hang out and explore my new town with.
However, even though I was never really alone, I experienced a deep sense of loneliness I’d never known before.
I’ll never forget my first American Christmas, spent with a roommate I’d met three weeks beforehand and her family.
I was overwhelmed by their kindness, but I knew I was mainly invited out of pity.
Watching them and the love they shared made me feel like an intruder, like someone who didn’t belong.
It takes time to build meaningful relationships, so when moving abroad, you will inevitably spend a lot of time with people who are fun and exciting, but with whom you don’t share any memories or stories yet.
It’s like being back in college all over again, but this time, you’re on your own in a country far, far away from your loved ones.

4. You won’t fit in anymore.

Moving abroad has changed me in so many more ways than I ever imagined it would. I’ve discovered loves, passions and fears I never knew I had, and have abandoned old convictions and beliefs that just didn’t feel right anymore.
It’s a good change I’ve embraced fully, but it has also — very slowly and very subtly — alienated me from the people and place I used to call home.
When moving abroad, such an important and large chunk of your life and development is happening elsewhere, that fully identifying with what used to be becomes nearly impossible.
Instead, you find a new home in your new country that partially fills the void. However, since you lack roots and history in your new home, you will never, despite your best efforts, fit in 100 percent.
It’s why almost all globetrotters I’ve met throughout the years struggle with existential questions like, where do I belong? Where is home? Where do I want to grow old?
Unable to answer those questions, they often move again — and again, and again, and again. They are searching for that feeling of home they were once so eager to leave behind.

5. You’ll lose dear friends.

Friends you never thought you’d lose because you met in kindergarten, bonded during college or traveled Europe together, will soon grow apart.
For all the reasons mentioned above, moving abroad will change and sacrifice dear friendships. Of course, some will stick, but overall, most won’t.
It’s no one’s fault and it’s everyone’s fault.
You forget about their birthdays because you’re too busy hanging out with your new friends.
They blame you for attending your dad’s 60th birthday instead of their bachelorette parties.
You could try harder to squeeze more visits in. But, they could return the favor, and, for once, come your way as well.
Choosing different paths ends friendships, just like it ends most relationships. It’s inevitable, and it’s life, but that doesn’t make it easy. By losing friends, you lose a part of yourself and your history.
So has it been worth it? Do I regret taking the leap and choosing an international lifestyle? Yes and no, absolutely.
With great sacrifice comes great reward, so stay tuned for my upcoming pieces, and feel free to ask me any questions about moving abroad that you may have..

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Contardo Calligaris: "Não quero ser feliz. Quero é ter uma vida interessante"

Para mim é muito estranho quando alguém me diz que quer ser Feliz. Toda as emoções tem seu lugar no universo interno. Não há nada ruim ou que não deve ser experienciado. o único detalhe é saber como experiênciar. A raiva é uma força motriz para alavancar transformações. A tristeza é uma força para pedir apoio, entrar em comunhão como o outro.

No caso de Ser feliz, isso é uma interessante vibração para o universo, há uma leveza que é uma benção. Essa experiência é sentida através da mente cognitiva ou pela mente somática. Quer experimentar Isso? Respectivamente eu cito dois exercícios do Resurfacing do Avatar da Stars Edge. 1) Pense, eu "sou feliz" até sentir-se feliz. Pronto! Testou por 2 minutos?! 2) o segundo é Ria deliberadamente até sentir-se feliz.  Aja por 2 minutos. Pronto! 


Contardo Calligaris: "Não quero ser feliz. Quero é ter uma vida interessante"

"Ter uma vida interessante significa viver plenamente. Isso pressupõe poder se desesperar quando se fica sem alguma coisa que é muito importante para você. É preciso sentir plenamente as dores: das perdas, do luto, do fracasso. Eu acho um tremendo desastre esse ideal de felicidade que tenta nos poupar de tudo o que é ruim."
Doutor em psicologia clínica e psicanalista, Contardo Calligaris estará na série especial do Fronteiras do Pensamento em Salvador no dia 01 de outubro. Último conferencista da edição 2015 na capital baiana, Calligaris argumenta que mais do que buscar permanentemente felicidade máxima, um arrebatamento mágico, deveríamos nos preocupar em tornar interessante nossa vida de todo dia. Confira na entrevista abaixo.
O que é felicidade hoje?
Não gosto muito da palavra felicidade, para dizer a verdade. Acho que é, inclusive, uma ilusão mercadológica. Oque a gente pode estudar são as condições do bem-estar. A sensação de competência no exercício do trabalho, já se sabe, é a maior fonte de bem-estar, mais que a remuneração. Nós temos um ideal de felicidade um pouco ridículo.
Um exemplo é a fala do churrasco. Você pega um táxi domingo ao meio-dia para ir ao escritório e o taxista diz: "Ah, estamos aqui trabalhando, mas legal seria estar num churrasco tomando cerveja". Talvez você ou otaxista sofram de úlcera, e não haveria prazer em tomar cerveja. Nem em comer picanha.
Mesmo que não vissem problema, pode ser que detestassem as pessoas lá e não se divertissem. Em geral, somos péssimos em matéria de prazer. Por exemplo, estamos sempre lamentando que nossos filhos seriam uma geração hedonista, dedicada a prazeres imediatos, quando, de fato, vivemos numa civilização muito pouco hedonista. Por isso, nos queixamos de excessos e nos permitimos prazeres medíocres ou muito discretos.
Mas continuamos acreditando que ser feliz é ter esses prazeres que não nos permitimos. E agora?
Ligamos felicidade à satisfação de desejos, o que é totalmente antinômico com o próprio funcionamento danossa cultura, fundada na insatisfação. Nenhum objeto pode nos satisfazer plenamente.
O fato de que você pode desejar muito um homem, uma mulher, um carro, um relógio, uma joia ou uma viagem não tem relevância. No dia em que você tiver aquele homem, aquela mulher, aquele carro, aquele relógio, aquela joia ou aquela viagem, se dará conta de que está na hora de desejar outra coisa. Esse mecanismo sustenta ao mesmo tempo um sistema econômico, o capitalismo moderno, e o nosso desejo, que não se esgota nunca. Então, costumo dizer que não quero ser feliz.. Quero é ter uma vida interessante.
Mas isso inclui os pequenos prazeres?
Inclui pequenos prazeres, mas também grandes dores. Ter uma vida interessante significa viver plenamente. Isso pressupõe poder se desesperar quando se fica sem alguma coisa que é muito importante para você. É preciso sentir plenamente as dores: das perdas, do luto, do fracasso. Eu acho um tremendo desastre esse ideal de felicidade que tenta nos poupar de tudo o que é ruim.
O que adianta garantir uma vida longa se não for para vivê-la de verdade? É isso que temos de nos perguntar?
Quem descreveu isso bem foi (o escritor italiano) Dino Buzatti, no romance O Deserto dos Tártaros. Conta a história de um militar que passa a vida inteira em um posto avançado diante do deserto na expectativa de defender o país contra a invasão dos tártaros, que nunca chegam. Mas tem um lado simpático na ideologia do preparo. É que está subentendida a ideia de que um dia a pessoa viverá uma grande aventura. Mas o que acontece, em geral, é que a preparação é a única coisa a que a gente se autoriza.
Então, pelo menos há um desejo de viver uma aventura?
Mas os sonhos estão pequenos. A noção de felicidade hoje é um emprego seguro, um futuro tranquilo, saúde e, como diz a música dos aniversários, muitos anos de vida. Acho estranho quando vejo alguém de 18 anos que, ao fazer a escolha profissional, leva em conta o mercado de trabalho, as oportunidades, o dinheiro... Isso nem passaria pela cabeça de um jovem dos anos 1960.
A julgar pela quantidade de fotos colocadas nas redes sociais de pessoas sorridentes, elas têm aproveitado a vida e se sentem felizes. Ou, como você aborda em uma crônica, hoje mais importante do que ser é parecer feliz?
O perfil é a sua apresentação para o mundo, o que implica um certo trabalho de falsificação da sua imagem e até autoimagem. Nas redes sociais, a felicidade  status. Mas esse fenômeno é anterior ao Facebook. Se você olhar as fotografias de família do final do século 19, início do 20, todo mundo colocava a melhor roupa e posava seriíssimo. Ninguém estava lá para mostrar que era feliz. Ao contrário, era um momento solene. É a partir dacâmera fotográfica portátil que aparecem as fotos das férias felizes, com todo mundo sempre sorridente.
E a gente olha para elas e pensa: "Eu era feliz e não sabia".
Não gosto dessa frase porque contém uma cota de lamentação. E acho que a gente nunca deveria lamentar nada, em particular as próprias decisões. Acredito que, no fundo, a gente quase sempre toma a única decisão que poderia tomar naquelas circunstâncias. Então, não vale a pena lamentar o passado. Mas é verdade que existe isso.
As escolhas ao longo da vida geram insegurança e medo. Em relação a isso, você diz que há dois tipos de pessoa: os "maximizadores", que querem ter certeza antes de que aquela é a opção certa, e a turma do "suficientemente bom". O segundo grupo sofre menos?
Tem uma coisa interessante no "maximizador": é como se ele acreditasse que existe o objeto mais adequado de todos, aquele que é perfeito. Mas é claro que não existe.
A busca da perfeição não gera frustração, pois sempre haverá algo que a gente perdeu?
Freud dizia que o único objeto verdadeiramente insubstituível para a gente é o perdido. E não é que foi perdido porque caiu do bolso. Ele fala daquilo que nunca tivemos. Então, faz sentido que nossa relação com o desejo seja esta: imaginamos existir algo que nunca tivemos, mas que teria nos satisfeito totalmente. Só não sabemos o que é.
Como nos livrar desse sentimento?
Temos de tornar cada uma de nossas escolhas interessante. Isso só é possível quando temos simpatia pela vida e pelos outros - o que parece básico, mas não é no mundo de hoje. Não por acaso, o grande espantalho do nosso século é a depressão. A falta de interesse pelo mundo e pelos outros é o que pode nos acontecer de pior.
Complica ainda mais o fato de, como você já abordou, enfrentarmos um dilema eterno: desejamos a estabilidade e também a aventura. Então, entramos em uma relação ou um emprego, mas sofremos porque nos sentimos presos e achamos que estamos deixando de viver grandes aventuras. Isso tem solução?
Não sei se tem solução. A gente vive mesmo eternamente nesse conflito. Agora, como cada um o administra é outra história. Pode-se optar por uma espécie de inércia constante, que será sempre acompanhada dasensação de que você está realmente desperdiçando seu tempo e sua vida, porque toda a aventura está acontecendo lá fora e, a cada instante, você está perdendo os cavalos encilhados que passam e não passarão nunca mais. Viver dessa maneira não é uma das opções. Mas você pode também, em vez disso, permitir se perder.
Permitir se perder no sentido de transformar a vida em uma eterna aventura?
Mas também nesse caso você terá coisas a lamentar. Eu, pessoalmente, fui mais por esse caminho. Mas opreço foi muito alto. Por exemplo, eu não estive presente na morte de nenhum dos meus entes próximos, porque morava em outro país e sempre chegava atrasado, no avião do dia seguinte. Hoje, por sorte, meu filho - que é grande, tem 30 anos - vive perto de mim. Por acaso, ele decidiu vir para o Brasil. Mas não o vi crescer realmente.
Para ser feliz, enfim, o segredo é não buscar a felicidade?
Isso eu acho uma excelente ideia. A felicidade, em si, é realmente uma preocupação desnecessária. Se meu filho dissesse "quero ser feliz", eu me preocuparia seriamente.
Preferia que dissesse o quê?
Só gostaria que ele me dissesse: “Estou a fim de…" A partir disso, qualquer coisa é válida. O que angustia é ver falta de desejo nas pessoas, em particular nos jovens. Agora, se ele está a fim de algo, mesmo que isso pareça muito distante do campo do possível dentro da vida que leva, eu acho ótimo..

Contador de Leitura das Páginas - Counter All Hits (desde 31/06/2006)

Contador de Visitantes (de_18/08/2009_até_hoje)

Localização dos Visitantes (de_28/04/2010_até hoje)

Localização dos Visitantes do Antigo Blog (de 21 Agosto 2009 até hoje)